Embrapii vai coordenar programa do Rota 2030 para alavancar inovação na indústria automotiva

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, foi selecionada pelo Comitê de Gestão do Rota 2030 como uma das coordenadoras do Programa Prioritário (PP) do Rota 2030, iniciativa do Governo Federal que estabelece metas para o desenvolvimento do setor automotivo no país.

O acordo, anunciado na última sexta-feira (20), permite que a Embrapii possa captar R$ 40 milhões por ano para investir em novos projetos de inovação para o setor de Mobilidade e Logística, que irão se transformar em um total de mais de R$ 100 milhões em projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I).

De acordo com o diretor-presidente da Embrapii, Jorge Guimarães, o objetivo é fortalecer as atividades de PD&I desse segmento produtivo do país, com os recursos aportados no Programa. Os projetos poderão ser em áreas como manufatura 4.0, IoT, biocombustíveis, conectividade, eletromobilidade, entre outros. “Em cinco anos de atuação, a Embrapii se consolidou como uma ferramenta importante para a inovação da indústria brasileira, favorecendo a implementação de novas tecnologias”, afirma Guimarães.

A Embrapii avalia que o novo modelo, que permite que empresas da cadeia de mobilidade e logística tenham acesso a recursos não reembolsáveis e centros de pesquisa de alta qualidade para ajudá-las na atividade de inovação, vai beneficiar empresas já estabelecidas e startups.O Brasil é o 9º produtor de autopeças e veículos no mundo. Internamente, o setor automotivo responde por 22% do PIB industrial e gera cerca de R$ 1,3 bilhão de empregos diretos e indiretos no país, gerando R$ 55 bilhões em impostos.

ROTA 2030

Lançado no final de 2018, o Rota 2030 é a estratégia do Governo Federal para o desenvolvimento do setor automotivo. Regulado pela Lei 13.755/18, o programa concede aos fabricantes incentivos fiscais, desde que cumpram metas e invistam em pesquisa e desenvolvimento (P&D), inclusive por meio dos Programas Prioritários.

Pelo programa, as montadoras e os fabricantes de autopeças irão destinar 2% de impostos – percentual que seria pago na importação de peças pelo regime ex-tarifário – para projetos de inovação no setor automotivo.

Caso uma empresa queira desenvolver um projeto de inovação, como uma bateria para carro elétrico, por exemplo, será possível se habilitar no Programa Prioritário e, então, procurar uma Unidade Embrapii, que irá desenvolver a peça. Os aportes dos valores podem ser feitos diretamente para a Embrapii. Para isso, basta entrar no endereço https://rota2030.embrapii.org.br, preencher as informações solicitadas e pedir a emissão de um boleto bancário.

Em sua história, a Embrapii já apoiou mais de R$ 1,3 bilhão em projetos, trabalhando com cerca de 550 empresas.

Fonte: MCTIC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em contato