Indústria, parlamentares e governo discutem ajustes para o Brasil retomar a rota do crescimento

Por isso, o 10º Encontro Nacional da Indústria (ENAI) reunirá cerca de 2 mil líderes empresariais de todo o país, parlamentares e representantes do governo nos dias 11 e 12 de novembro, no Centro Internacional de Convenções do Brasil, em Brasília. O evento é organizado pelaConfederação Nacional da Indústria (CNI).
O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, participarão da abertura do evento. O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, falará sobre os desafios atuais da economia brasileira e o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles apresentará o cenário atual do pais. O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton encerrará o 10º ENAI, na quinta-feira (12), às 10h.
Entre os empresários que participarão dos debates estão Paulo Stark, presidente da Siemens; Marcos Munhoz, vice-presidente da GM do Brasil e da GM América do Sul; Vijay Gosula, sócio-diretor da McKinsey Brasil; Astor Schmitt, acionista e executivo de Relações Institucionais da Randon; e Glauco Corte, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC). O painel que debaterá a agenda do Congresso para a criação de um ambiente mais favorável aos negócios terá a presença dos senadores Cássio Cunha Lima (PSDB/PB) e Ricardo Ferraço (PMDB/ES), e os deputados federais Bruno Araújo (PSDB/PE),  Paulo Teixeira (PT/SP) e Celso Russomano (PRB/SP).
O ENAI é o maior fórum empresarial do país. Realizado anualmente desde 2006, discute os grandes temas nacionais e propõe ações capazes de criar um ambiente mais favorável aos investimentos e estimular o desenvolvimento do país. Neste ano, diante da crise política e econômica, o tema é Brasil: Ajustes e Correção de Rota.
“As dificuldades econômicas que enfrentamos são conhecidas. Agora, temos que olhar para frente. O país precisa caminhar para a correção de rota, de modo a restaurar os fundamentos macroeconômicos e elevar a competitividade”, afirma o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade. Segundo ele, o reequilíbrio das contas públicas é indispensável para a recuperação da economia. “O Brasil precisa fazer mudanças estruturais para enfrentar de uma vez por todas a questão do déficit público. Não dá mais para aumentar impostos”, destaca Andrade.
Na avaliação da CNI, o controle efetivo e duradouro dos gastos públicos depende, especialmente, da eliminação de mecanismos automáticos e obrigatórios de aumento de despesas, como a vinculação de gastos e a indexação automática de benefícios ao salário mínimo. Outro ponto fundamental para o equilíbrio das contas públicas é a reforma da Previdência Social.
Mas o ajuste fiscal só terá efeito sobre a economia se for combinado com uma agenda voltada à redução dos custos de produção e ao aumento da produtividade. “Somente assim o Brasil terá condições de recuperar a confiança dos investidores, aumentar a produção, e gerar emprego e renda”, afirma o presidente da CNI.
Para contribuir com a pauta de redução dos custos, a CNI reuniu 120 medidas de baixo impacto fiscal que podem ser implementadas em paralelo ao ajuste das contas públicas. Essas ações, que são decisivas para reduzir a insegurança jurídica e a burocracia, estão reunidas no documento Regulação e Desburocratização,  já entregue ao governo.
A expectativa da indústria é que o Poder Executivo e o Congresso Nacional superem as divergências políticas e estabeleçam uma pauta que recoloque o país na rota do crescimento. As empresas também precisam fazer sua parte, propondo soluções para os obstáculos ao crescimento e aperfeiçoando a gestão das empresas para aumentar a produtividade e os investimentos em inovação e oferecer ao mercado produtos de mais qualidade a preços mais baixos.
Fonte: Agência de Notícias CNI
 

Deixe uma resposta

WhatsApp Estamos no Whatsapp - 11 99999-5305