MCTI e Embrapii lançam a maior rede de Inovação em Inteligência Artificial do País

Para potencializar a capacidade produtiva e a competitividade das empresas brasileiras, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), organização vinculada ao MCTI, se uniram e criaram a Rede MCTI/Embrapii de Inovação em Inteligência Artificial, a maior de todo o país na área.

A proposta é incentivar o uso de tecnologias de fronteira no processo produtivo da indústria nacional, oferendo um ecossistema de inovação com competências tecnológicas complementares, que contará com recursos não reembolsáveis e centros de pesquisas com infraestrutura e profissionais qualificados para apoiar a indústria a inovar, as chamadas Unidades EMBRAPII. O lançamento da Rede será realizado nesta quinta-feira (28), em uma edição especial do Bate Papo Ciência e Tecnologia Dia a Dia, com a presença do ministro do MCTI, Marcos Pontes, e do diretor-presidente da Embrapii, Jorge Almeida Guimarães, com transmissão às 19h30 pelo link: https://bit.ly/3i994iw.

Incialmente, 17 Unidades Embrapii vão compor a Rede, compartilhando infraestrutura, competências e recursos humanos no desenvolvimento de soluções em diversas áreas: Machine Learning, Internet das Coisas, Big Data, Analytics, entre outras.

Também serão destinados, em cinco anos, R$ 70 milhões de recursos à Rede, sendo R$ 20 milhões com foco em IA aplicado ao setor automotivo e agronegócio. Os recursos são provenientes da Lei de Informática e do Programa Rota 2030. Como o modelo de atuação da Embrapii prevê o co-investimento do setor empresarial, estima-se que a criação da Rede gere cerca R$ 140 milhões em inovações (soma-se aos recursos da Embrapii, os valores da contrapartida das empresas e o recurso não-financeiro das Unidades Embrapii– como uso de equipamento e pagamento de hora-homem).

Parte dos recursos serão utilizados para desenvolver a competência em Inteligência Artificial dos centros de pesquisas e fortalecer a capacidade de pesquisa, desenvolvimento e inovação nacional sobre o tema. Também planeja-se aproximar as Unidades Embrapii da fronteira internacional, promovendo o intercâmbio de conhecimento a colaboração recíproca com as principais redes de Inteligência Artificial do mundo, seja na Europa, Israel, América do Norte, entre outras.

Projetos Cooperativos e Pequenas Empresas

Projetos de pequenas empresas e de Startups deeptech, aquelas que possuem alta densidade tecnológica, também estão no foco da Rede. Serão oferecidos recursos não reembolsáveis e suporte técnico-científico em todo o ciclo de desenvolvimento da solução tecnológica, até a chegada do produto ao mercado.

Outro desafio proposto pela Rede é intensificar o desenvolvimento cooperativo de projetos entre diferentes empresas. A cooperação pode ser realizada entre empresas que pertencem a mesma cadeia produtiva, buscando gerar novos produtos e processos que beneficiem todo o setor; entre startups e empresas consolidadas no mercado e que anseiam inovar o modelo de negócio, e  ainda pouco usual no país, entre concorrentes, modelo em que dividem custos e riscos do desenvolvimento da tecnologia, mas que aplicam como melhor convier a cada uma no mercado.

Inteligência Artificial na Embrapii

Em seis anos de atuação, a Embrapii apoiou 136 empresas com o desenvolvimento de 145 projetos que fazem uso de Inteligência Artificial.  São soluções para agro, saúde, manufatura 4.0, entre outros setores, que somam R$ 196 milhões em investimento. Mais da metade (51,4%) proveniente do setor empresarial.

Equipamentos para o setor de serviços responde 22,1% do total de projetos. Em seguida vem a área de Saúde (10,3%) e, em terceiro, equipamentos para aprimorar a produção industrial (9,7%).

Estrutura da Rede

A presidência rotativa ficará sob a liderança do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) e a vice-presidência a cargo do Instituto Federal do Ceará (IFCE) pelos próximos dois anos.

Os pesquisadores das Unidades também vão atuar em três comitês técnicos: Capacitação (que será liderado pelo CEEI/UFCG), que vai reunir ações para capacitar pessoal técnico; o eixo Infraestrutura (liderado pelo Senai CIMATEC), que trata sobre o compartilhamento de equipamentos e competências; e o eixo Certificação (liderado pelo Instituto Eldorado), que permitirá às empresas obterem selos de maturidade para os novos produtos e serviços com Inteligência Artificial embarcada.

Representantes de doze instituições privadas parceiras vão participar do Conselho Consultivo da Rede, que definirá a estratégia e diretrizes de atuação. São elas: Confederação Nacional da Indústria (CNI), Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), International Association of Artificial Intelligence (I2AI), Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII), Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (BRASSCOM), Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (ASSESPRO), Sociedade Brasileira de Computação (SBC), Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE),  Associação de Empresas de Desenvolvimento Tecnológico Nacional e Inovação (P&D Brasil), Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX), Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos e Odontológicos (ABIMO) e Fórum Brasileiro de IoT.

Modalidades de Fomento

Serão cinco modalidades de fomento:

Tipo 1 – Projetos “tradicionais”;
O primeiro tipo de projeto se baseia no conceito que, em média, as empresas recebem
33% de aporte financeiro no portfólio nos projetos por parte da EMBRAPII – como é
tradicionalmente feito nos projetos contratados pelas Unidades.

Tipo 2 – Projetos de encadeamento tecnológico, que envolve duas ou mais
empresas de diferentes portes para soluções;

A segunda modalidade tem o objetivo de incentivar a colaboração entre grandes
empresas com empresas de menor porte, inclusive com startups. Nesse caso, o valor
financeiro aportado pela EMBRAPII pode chegar a 50% do portfólio do valor dos
projetos desde que ele seja contratado por pelo menos duas empresas e que pelo
menos uma delas tenha receita operacional bruta (ROB) igual ou inferior a R$ 90
milhões (noventa milhões de reais).

Tipo 3 – Projeto a pequenas e médias empresas e startups e

O terceiro tipo está voltado para o negócio de menor porte que está arriscando e
desenvolvendo novas tecnologias. Pequenas e médias empresas e startups são
importantes atores no avanço tecnológico, muitas vezes investindo em tecnologias
com potencial disruptivo. Por isso, a ideia é dar um apoio maior a projetos desse
segmento da economia. A EMBRAPII, então, irá aportar até 50% do portfólio do valor
do projeto de PD&I de empresas que tenham o ROB igual ou inferior a R$ 90 milhões
(noventa milhões de reais).

Ações complementares com startups – ciclo completo

A quarta modalidade será das ações complementares aos projetos de PD&I de
startups apoiando ciclo completo de inovação e do investimento tecnológico que está
sendo feito entre a empresa e a Unidade EMBRAPII. O trabalho de ciclo completo será
realizado com o objetivo de complementar os avanços tecnológicos obtidos nos
projetos de PD&I realizados por empresas e UEs e que tenham recebido o apoio do
PPI. Esses projetos receberão o apoio de serviços de assessoria, consultoria,
qualificada em inovação, conforme autorizado pelo Decreto 5.906/2006 nos artigos 24
(Incisos II e III e § 2o) e 25 (Incisos IX e X) para empresas startups. O intuito é que
essas novas empresas desenvolvam tecnologias com forte conteúdo inovador, muitas
vezes disruptivo, possam levar as tecnologias desenvolvidas com o apoio do PPI para
o mercado e transformar a inovação em um negócio. Isso porque essas empresas
ainda estão em formação, precisam de ajuda para levar seu produto/processo para o
mercado ou para se colocarem como uma fornecedora confiável para uma outra
empresa. Nesse período pós-covid, em que a economia está frágil e com menor
margem para erros, startups podem desenvolver soluções relacionadas a IoT e
Manufatura 4.0 que estejam ligadas ao enfrentamento da pandemia ou, ainda, podem
aproveitar uma oportunidade de inserção competitiva por conta da mudança do atual
cenário.

O objetivo, então, é apoiar outras etapas que estão ligadas à transformação de um
projeto de P&D em produtos que cheguem ao mercado, com redução de custos e
incertezas das startups em questões como homologações ou certificações, provas de
conceito, lote piloto, registro de propriedade industrial, além de pontos relativos à incubação de uma empresa tais como construção do modelo de negócios, gestão da inovação, acesso a mercado, entre outros.

Dessa forma, cabe pontuar as ações que serão desenvolvidos com base na
regulamentação do Decreto 5.906/2006, que define o escopo de atividades de P D
em que os recursos podem ser utilizados. Em relação aos dispêndios, os projetos
também irão obedecer aos itens previstos no Decreto, e que também são permitidos
no modelo Embrapii, como recursos humanos, materiais de consumo e implantação,
ampliação ou modernização de laboratórios de pesquisa e desenvolvimento. Somente
receberá o apoio empresas startups com o faturamento anual de até R$ 16 milhões
(dezesseis milhões de reais).

Desenvolvimento de competências estratégicas

A última modalidade é a de Desenvolvimento de competências estratégicas. Além do
fomento a projetos de PD&I, o presente plano também está direcionado para o
desenvolvimento de competências consideradas estratégicas pela EMBRAPII e o
Ministério, representado pela SEMPI. A ação tem o foco de permitir que o novo
conhecimento e novas capacidades possam ser formadas. O foco é manter as
Unidades alinhadas com a fronteira do conhecimento.

Por sua vez, o desenvolvimento de competências estratégicas sempre terá o foco de
ser utilizado com os projetos de inovação do setor produtivo, nos moldes descritos
acima. Com isso, espera-se manter a competência técnica nacional atualizada e
apoiando a competitividade das empresas no país.

Fonte: Embrapii/MCTI

WhatsApp Estamos no Whatsapp - 11 99999-5305